domingo, 27 de fevereiro de 2011

Sivuca - BIOGRAFIA


Clássico e popular
por Daniel Almeida
No dia 26 de maio de 1930, Severino Dias de Oliveira chegou ao mundo em Itabaiana, semi-árido da Paraíba. De família de sapateiros e agricultores, começou a tocar sanfona em feiras, batizados e festas aos nove anos de idade.

Até aos quinze, quando se mudou para Recife, seguiu tocando e fazendo música pelo interior do Nordeste. Em 1945, aventurou-se no programa de calouros Divertimentos guararapes, na Rádio Guararapes, com a canção "Tico-tico no fubá" (Zequinha de Abreu e Eurico Barreiros), e "In the mood" (Joe Garland e Andy Razaf). Nessa ocasião, as atenções do maestro Nelson Ferreira recaíram sobre o novato, que foi convidado para se apresentar no dia seguinte em programa escrito e apresentado pelo locutor esportivo, cronista e compositor Antônio Maria. Começou como profissional na Rádio Clube de Pernambuco, onde recebeu o nome artístico de Sivuca.

Poucos anos depois, tornou-se aluno do maestro Guerra Peixe, com quem estudou composição e arranjo. Excursionando por Recife, a cantora Carmélia Alves se encantou com o músico – que já integrava o elenco da Rádo Jornal do Comércio - e o convidou para gravar em São Paulo. Em 1950, Sivuca selou a parceria com Humberto Teixeira e lançou seu primeiro disco pela gravadora Continental, que revelou “Adeus maria fulô”, além de interpretações de "Tico-tico no fubá" e do choro "Carioquinha no flamengo", de Waldir Azevedo e Bonfiglio de Oliveira. Em 1951, acompanhou a cantora Carmélia Alves ao acordeão em "No mundo do baião", e participou de seu segundo disco, interpretando "Frevo dos vassourinhas número 1" (Matias da Rocha) e o baião "Sivuca no baião" (Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga).

Ainda no começo da década, realizou temporadas anuais em São Paulo, em programas especiais na Rádio Record, com regional ou orquestra sob a regência dos maestros Hervê Cordovil e Gabriel Migliori. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1955, ano em que foi contratado pelos Diários Associados para fazer apresentações na Rádio e na TV Tupi cariocas. Em 1956 gravou pela Copacabana, de sua autoria, o choro "Homenagem à velha guarda" – seu segundo sucesso - e a polca "Pulando num pé só", de Edvaldo Pessoa.

Com o passaporte carimbado, embarcou com o grupo Os Brasileiros, sob a liderança de Guio de Morais, para uma turnê de três meses na Europa. Ao lado do Trio Iraquitã, de Dimas, de Pernambuco e de Abel Ferreira, o combo divulgaria a MPB no exterior graças à Lei Humberto Teixeira. Fruto dessa temporada foi sua residência em Lisboa. Mas no fim da década de 1950, veio o bilhete azul da Tupi. Isso porque aderiu a uma greve de reivindicação salarial. Juntou-se, então, ao grupo Brasília Ritmos, formado por Waldir Azevedo, Trio Fluminense, Vilma Valéria, Norato, Eliseu, Swing, Edison, Jorge e Tião Marinho, no qual ficou por três meses.

Gravou seu primeiro LP europeu pela gravadora Valentin de Carvalho, em que produziu e arranjou o primeiro disco de música angolana da Europa, Duo ouro negro. Em 1960, foi convidado para trabalhar em Paris. Apresentou-se na Maison Barclay, na capital francesa, e lá permaneceu por quatro anos, apresentando-se em restaurantes e clubes. Em 1962, gravou pela Barclay o LP Rendez-vous a Rio, e venceu o prêmio de melhor músico do ano, concedido pela imprensa francesa.

Em 64, atravessou o Atlântico e fincou os pés em Nova York. Acompanhou a cantora Carmen Costa em apresentações pelos Estados Unidos e, entre 65 e 69, assumiu a direção musical da cantora sul-africana Miriam Makeba. Com ela gravou 3 discos em Nova York e conquistou o sucesso internacional como arranjador instrumentista com “Pata-pata”. Realizou turnês pela Ásia, África, Europa, América do Sul e do Norte. Inaugurou, nessa época, o segundo canal de televisão da Suécia, onde gravou dois LPs. Chegou a lançar um LP japonês como violonista. Pela primeira vez, visitou a Escandinávia e assim descreveu em seu site oficial suas impressões sobre a gente dali: “lembro bem da minha primeira chegada à terra dos vikings. Achei um povo muito parecido comigo, na cor alva da pele e no gosto pelo acordeão. Fui logo tratado por eles como irmão. Foi em Copenhagen, em 67, no Varieteen Teather, no Tivoli, numa turnê ao lado da grande dama da música africana, minha dileta amiga Miriam Makeba”. Em 68, ainda morando em Nova York, voltou duas vezes para temporadas de shows que resultaram em programas de televisão pra Finlândia e Noruega, além da gravação de três discos (um solo e dois com Putte Wickman).

Em 69, desligou-se da banda de Makeba e, a convite de Oscar Brown Jr., assumiu a direção do musical Joy. Compôs “Mãe áfrica” para esse espetáculo e com ele se apresentou em San Francisco, Chicago e Nova York, onde o show foi gravado ao vivo pela RCA. Quatro anos depois, projetou-se mais uma vez, com seu show de música brasileira, no Village Gate, onde permaneceu em cartaz por 2 meses e gravou o LP Life from the Gate, pela Vanguard.

Em 1975 realizou projetos com artistas renomados como Hermeto Pascoal, Airto Moreira, Betty Midler, Paul Simon. Filmou um programa especial para a televisão francesa com o mímico Marcel Marceau e com o ator e cantor Harry Belafonte. Casou-se com a compositora Gloria Gadelha, com quem iniciou uma parceria musical frutífera, como em “Feira de mangaio”, considerado um clássico do forró e eternizado por Clara Nunes.

Em 1978 lançou o LP Sivuca, no qual interpretou o sambaião "O dia em que El Rey voltou à terra de Santa Cruz", parceria com Paulinho Tapajós; as upakangas – ritmo originário da África do Sul - "Mãe áfrica" (em parceria com Paulo Cesar Pinheiro) e “Barra vai quebrando”; e o arrasta-pé "Samburá de peixe miúdo", estas duas últimas em parceria com a mulher Glorinha Gadelha. No mesmo ano, obteve grande sucesso com a composição "João e maria", em parceria com Chico Buarque. A canção saiu no disco Meus amigos são um barato, nas vozes de Nara Leão e Chico, com arranjo de Sivuca. Em 1980 lançou o disco Cabelo de milho, no qual interpretou, entre outras, a faixa-título, em parceria com Paulinho Tapajós; "Cantador latino", com Paulo Cesar Pinheiro; "No tempo dos quintais", que contou com a participação especial do cantor Fagner; além de "Se te pego na mentira", em parceria com Glorinha Gadelha.

Em 1984, o arranjador e produtor Rune Öfwerman apresentou Sivuca a Griec e Hans Cristian Andersen. Idealizou e produziu, pela gravadora Sonet, o projeto Rendez-vous in Rio, composto pelo disco Som brasil, por um segundo da cantora sueca Sylvia Vrethammar e por Chico’s bar, do brasileiro com o gaitista belga Toots Thielemans. Este projeto culminou com a gravação de um clipe, ao vivo, no Chico’s Bar, Rio de Janeiro, pela TV sueca. Nos anos seguintes foi convidado, pelo produtor Rune e Sylvia, para uma série de temporadas pela Escandinávia. No mesmo ano, juntou-se a Chiquinho do Acordeon no discoSivuca e Chiquinho, que contou com a participação especial do maestro Radamés Gnattali. Gravou as composições "Pé de moleque", de Radamés; "O eterno jovem Bach", de Altamiro Carrilho; "Valsa verde", de Capiba; "Aquariana". do próprio Sivuca e "Rabo de fita", parceria de Sivuca e Chiquinho do Acordeon. Em 1985 colocou três discos nas prateleiras suecas: Som brasilRendez-vous in Rio e Chico''''s bar - Sivuca e Toots Thielemans, os três pela gravadora Sonet.

No final da década de 80, lançou com o gaitista Rildo Hora o LP Sanfona e realejo, que obteve boa receptividade por parte da crítica especializada. Após a morte da cantora Nara Leão, em 89, Sivuca e Paulinho Tapajós compuseram, em sua homenagem, "Canção que se imaginara", registrada primeiro no CD Enfim solo, lançado em 1997 e no qual interpreta composições de Pixinguinha, Luperce Miranda e Johann Sebastian Bach.

Em 1990, lançou o LP Um pé no asfalto, um pé na buraqueira, com a participação especial de Rildo Hora e de Glorinha Gadelha interpretando, entre outras, "Bom e bonito", de Osvaldinho do Acordeon; "Forró da gente", de Cecéu; "Guararema", em parceria com Glorinha Gadelha, e "Quem disse que o forró acabou?".

Em abril de 94, foi ao ar na TV Cultura, o programa Ensaio com Sivuca e o convidado Dominguinhos. No dia 30 de dezembro, participou do show em homenagem à posse do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Ao seu lado se apresentam Hermeto Pascoal, Osvaldinho, Borghetinho e Waldonys.

Continuou realizando apresentações no Brasil e no exterior, participando de festivais e recebendo a reverência internacional por seu trabalho instrumental. Em 2000 apresentou-se no Teatro Municipal do Rio de Janeiro junto com a Orquestra Petrobras Pró Música e o arranjador Wagner Tiso.

No carnaval de 99, a Unidos de Vila Isabel homenageou a cidade de João Pessoa, capital da Paraíba. Entre os destaques da agremiação estavam Elba Ramalho, Sivuca e Herbert Viana.

Em janeiro de 2001, em São Luís, na série de shows em homenagem ao compositor Antônio Vieira, principal fonte de inspiração de novos músicos maranhenses, subiu ao palco junto com Zeca Baleiro, Rita Ribeiro e Elza Soares. No ano seguinte, participou de shows em comemoração aos 25 anos de fundação da gravadora Kuarup, com apresentações no Canecão, no Rio de Janeiro, e no Teatro da UFF, em Niterói.

Em 2004, Sivuca gravou três discos: Cada um belisca um pouco (Biscoito Fino), com Dominguinhos e Oswaldinho; Sivuca & quinteto uirapuru (Kuarup) e Sivuca sinfônico, que permaneceu inédito até 2006, em que empunhou a sanfona e se uniu à Orquestra Sinfônica de Recife pra registrar composições populares com arranjos eruditos. Estão no repertório, “Rapsódia gonzaguiana” (uma seleção de clássicos de Luiz Gonzaga), “Concerto sinfônico para asa branca” (adaptação para sanfona e orquestra do hino de Gonzagão e Humberto Teixeira), “Feira de mangaio”, “Aquariana” (peça feita por ele para Glorinha, única inédita em disco), “Moto-perpétuo” (transcrição para sanfona da peça de Paganini), “Quando me lembro” (de Luperce Miranda), e “João e Maria”.

A saúde de Sivuca foi piorando e o câncer nas glândulas salivares que vinha tratando há quase 30 anos atingiu seu pulmão em novembro de 2005. Incansável, não parou, e assinou todos os arranjos para o disco Terra esperançaSivuca sinfônico foi lançado pela gravadora carioca Biscoito Fino. Mais um de seus grandes sonhos, unir música popular e erudita pela sua sanfona, estava realizado. Porém, a saúde do músico voltou a piorar e em 14 de dezembro de 2006 Sivuca morreu em decorrência de uma insuficiência respiratória causada por edema pulmonar. Compareceram em seu enterro em João Pessoa mais de 2 mil pessoas.

Discografia completa

0 comentários:

Postar um comentário

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Widget Códigos Blog modificado por Dicas Blogger

SEGUIDORES

 
Licença Creative Commons
This work by Alexandre A. Silva is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://naclave.wordpress.com/.